quinta-feira, 19 de maio de 2016



#FreeKesha


A signed contract and a stolen voice… 

“Listen Ursula, we want her voice back.”

#FreeKesha

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Constatações sobre o fim


É difícil de perceber, principalmente se olharmos as coisas do modo binário de certo e errado com o qual em geral estamos acostumados, e ainda mais difícil de aceitar que numa discussão os dois lados podem estar certos e errados ao mesmo tempo. E quando não vemos isso em um relacionamento, ao invés de completarmos um ao outro com nossos pontos de vista opostos, acabamos apenas colidindo. Ambos achando que estão cedendo e nenhum buscando um equilíbrio que viesse de dentro de si mesmo.

Em algumas situações, ainda que eu entenda os motivos do outro e ele entenda os meus, para agirmos de acordo com o que realmente nos parece certo, teremos que seguir em direções diferentes. Alguns escolheriam aceitar desde o começo que as diferenças eram muito grandes para superar e outros iriam preferir lutar até o fim. E normalmente, ao menos neste ponto achamos um meio termo e lutamos até onde conseguimos, não desistimos sem lutar mas também não lutaremos até o fim, principalmente por causa do desgaste causado pelos atritos. E, quem sabe, chegamos ao fim, basicamente por estarmos ambos cometendo o mesmo erro de tentar controlar algo que está fora do nosso alcance, porém ainda assim não conseguimos agir de outro modo. 

Com um pouco de distância podemos a ver o quanto alguns relacionamentos nos afastam de quem realmente somos. De quem gostaríamos de ser. E com isso deixamos de ser a pessoa por quem o outro se apaixonou. E deixamos de ser a pessoa que se apaixonou pelo outro.  Deixamos as circunstâncias nos mudarem. E o medo e o ressentimento determinarem as nossas ações. E o resultado é deixarmos de ver as qualidades que admirávamos no outro e pararmos de cultivar as qualidades as quais admirávamos em nós mesmos.

O fato é que Buda tem razão. Se você abandona o desejo, neste caso o desejo de ficar junto, tudo fica mais claro e simples. O problema é que abandonar o desejo não é fácil. Principalmente depois de deixarmos o desejo nos dominar, porque aí já ele nos cegou e não conseguimos mais enxergar o outro lado da história, só vemos o que desejamos e os obstáculos para conseguirmos. 

O resultado é a falta de equilíbrio na vida como um todo. E para se ter equilíbrio é preciso disciplina, sem disciplina vamos deixando os vícios superarem as virtudes, a comodidade vencer o senso de realização e assim por diante. E podemos acabar voltando ao lugar onde começamos ou regredir ainda mais e perder até o que já tinhamos conquistado.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Deputados e Senadores

Em tempos de eleição, somos bombardeados de propostas de candidatos a Deputado e Senador, mas realmente sabemos quais as atribuições deles?

Para ressaltar a importância dos Deputados e Senadores, que as vezes podem ser vistos como menos importantes que os Chefes do Poder Executivo (Prefeito, Governador, Presidente da República),
listei abaixo o processo necessário para a criação dos tipos mais comuns de leis e também os artigos da Constituição Federal que tratam das funções (e imunidades) dos membros do Congresso.


Processo Legislativo

a) Leis Ordinárias e Complementares
1. Iniciativa: apresentação de projeto de lei

2. Deliberação parlamentar: projeto de lei é apresentado para a Câmara dos Deputados, discutido e aprovado, o projeto segue para o Senado Federal. Se a iniciativa do projeto de lei for de um Senador, então após aprovado no Senado Federal o projeto seguirá para a Câmara de Deputados.

3. Deliberação executiva: após aprovado pelo Poder Legislativo, o projeto de lei deverá ser apreciado pelo Poder Executivo mediante sanção ou veto. Em caso de veto:
  • O Chefe do Poder Executivo terá 15 dias úteis para vetar um projeto de lei ou ocorrerá a sanção tácita;
  • O veto poderá ser total ou parcial;
  • Vetando um projeto, o Presidente da República deverá comunicar seus motivos (inconstitucionalidade ou contrário ao interesse público), dentro de 48 horas, ao Presidente do Senado ou o veto será considerado inexistente;
  • O veto será apreciado em sessão conjunta, podendo ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos Deputados e Senadores e o projeto de lei será sancionado.
b) Emendas Constitucionais

1. Iniciativa: ocorrerá mediante proposta:
  • de 1/3 ou mais dos membros da Câmara de Deputados ou do Senado Federal;
  • do Presidente da República;
  • de mais da metade das Assembleias legislativas das unidades da federação, cada uma delas pela maioria relativa de seus membros.
      2. Deliberação parlamentar: o projeto será votado, em cada Casa (Câmara de Deputados e do Senado Federal), em dois turnos.

3. Deliberação executiva: não há sanção ou veto.

c) Medida Provisória: duração de 60 dias prorrogáveis por igual período.

1. Iniciativa: competência exclusiva do Presidente da República.

2. Deliberação parlamentar: após editada a medida provisória será submetida ao Congresso Nacional e poderá ser:
  • aprovada sem alteração do texto;
  • ser emendada e as emendas deverão ser apreciadas e votadas nas duas casas, e levadas à apreciação do Presidente da República, que poderá sancionar ou vetar a lei de conversão;
  • ser rejeitada e perderá sua eficácia desde a sua edição, além disto não poderá ser reeditada na mesma sessão legislativa;
  • não ser apreciada no prazo constitucional e perderá sua eficácia desde a sua edição.

d) Decreto legislativo: trata as matérias de competência exclusiva do Congresso Nacional (art. 49 CF) e os efeitos das medidas provisórias não convertidas em lei.

1. Iniciativa: Congresso Nacional
    2. Deliberação parlamentar: requer aprovação por maioria simples nas duas Casas (Câmara de Deputados e do Senado Federal).

3. Deliberação executiva: não sanção ou veto pelo Presidente da República.


Sobre o Poder Legislativo

Sessão Legislativa: período em que o Congresso Nacional se reúne anualmente: de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1° de agosto a 22 de dezembro.

Poder Legislativo: na esfera federal, é exercido pelo Congresso Nacional, que é composto pela Câmara dos Deputados e Senado Federal.


Câmara de Deputados
Senado Federal
Número de componentes
513
O número de Deputados será estabelecido proporcionalmente à população, de modo que nenhuma unidade da federação tenha menos de 8 ou mais de 70 Deputados.
81
Há 3 Senadores para cada Estado e 3 para o Distrito Federal. Cada Senador será eleito com 2 suplentes.
Mandato
4 anos
8 anos (com eleições a cada 4 anos, renovando alternadamente 1/3 e 2/3 dos cargos)
Sistema eleitoral
Proporcional
Maioria simples
Idade mínima para o cargo
21 anos
35 anos


Principais artigos da Constitução Federal relacionados ao Congresso Nacional

Art. 48. Cabe ao Congresso Nacional, com a sanção do Presidente da República, não exigida esta para o especificado nos arts. 49, 51 e 52, dispor sobre todas as matérias de competência da União, especialmente sobre:

I - sistema tributário, arrecadação e distribuição de rendas;

II - plano plurianual, diretrizes orçamentárias, orçamento anual, operações de crédito, dívida pública e emissões de curso forçado;

III - fixação e modificação do efetivo das Forças Armadas;

IV - planos e programas nacionais, regionais e setoriais de desenvolvimento;

V - limites do território nacional, espaço aéreo e marítimo e bens do domínio da União;

VI - incorporação, subdivisão ou desmembramento de áreas de Territórios ou Estados, ouvidas as respectivas Assembleias Legislativas;

VII - transferência temporária da sede do Governo Federal;

VIII - concessão de anistia;

IX - organização administrativa, judiciária, do Ministério Público e da Defensoria Pública da União e dos Territórios e organização judiciária e do Ministério Público do Distrito Federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 69, de 2012) (Produção de efeito)

X - criação, transformação e extinção de cargos, empregos e funções públicas, observado o que estabelece o art. 84, VI, b; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

XI - criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

XII - telecomunicações e radiodifusão;

XIII - matéria financeira, cambial e monetária, instituições financeiras e suas operações;

XIV - moeda, seus limites de emissão, e montante da dívida mobiliária federal.

XV - fixação do subsídio dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, observado o que dispõem os arts. 39, § 4º; 150, II; 153, III; e 153, § 2º, I. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 41, 19.12.2003)

Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:

I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional;

II - autorizar o Presidente da República a declarar guerra, a celebrar a paz, a permitir que forças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporariamente, ressalvados os casos previstos em lei complementar;

III - autorizar o Presidente e o Vice-Presidente da República a se ausentarem do País, quando a ausência exceder a quinze dias;

IV - aprovar o estado de defesa e a intervenção federal, autorizar o estado de sítio, ou suspender qualquer uma dessas medidas;

V - sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa;

VI - mudar temporariamente sua sede;

VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados Federais e os Senadores, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

VIII - fixar os subsídios do Presidente e do Vice-Presidente da República e dos Ministros de Estado, observado o que dispõem os arts. 37, XI, 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

IX - julgar anualmente as contas prestadas pelo Presidente da República e apreciar os relatórios sobre a execução dos planos de governo;

X - fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta;

XI - zelar pela preservação de sua competência legislativa em face da atribuição normativa dos outros Poderes;

XII - apreciar os atos de concessão e renovação de concessão de emissoras de rádio e televisão;

XIII - escolher dois terços dos membros do Tribunal de Contas da União;

XIV - aprovar iniciativas do Poder Executivo referentes a atividades nucleares;

XV - autorizar referendo e convocar plebiscito;

XVI - autorizar, em terras indígenas, a exploração e o aproveitamento de recursos hídricos e a pesquisa e lavra de riquezas minerais;

XVII - aprovar, previamente, a alienação ou concessão de terras públicas com área superior a dois mil e quinhentos hectares.

Art. 50. A Câmara dos Deputados e o Senado Federal, ou qualquer de suas Comissões, poderão convocar Ministro de Estado ou quaisquer titulares de órgãos diretamente subordinados à Presidência da República para prestarem, pessoalmente, informações sobre assunto previamente determinado, importando crime de responsabilidade a ausência sem justificação adequada.(Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 2, de 1994)

§ 1º - Os Ministros de Estado poderão comparecer ao Senado Federal, à Câmara dos Deputados, ou a qualquer de suas Comissões, por sua iniciativa e mediante entendimentos com a Mesa respectiva, para expor assunto de relevância de seu Ministério.

§ 2º - As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal poderão encaminhar pedidos escritos de informações a Ministros de Estado ou a qualquer das pessoas referidas no caput deste artigo, importando em crime de responsabilidade a recusa, ou o não - atendimento, no prazo de trinta dias, bem como a prestação de informações falsas. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 2, de 1994)

Art. 51. Compete privativamente à Câmara dos Deputados:

I - autorizar, por dois terços de seus membros, a instauração de processo contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado;

II - proceder à tomada de contas do Presidente da República, quando não apresentadas ao Congresso Nacional dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa;

III - elaborar seu regimento interno;

IV - dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, criação, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções de seus serviços, e a iniciativa de lei para fixação da respectiva remuneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

V - eleger membros do Conselho da República, nos termos do art. 89, VII.

Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:

I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 23, de 02/09/99)

II processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

III - aprovar previamente, por voto secreto, após argüição pública, a escolha de:

a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta Constituição;

b) Ministros do Tribunal de Contas da União indicados pelo Presidente da República;

c) Governador de Território;

d) Presidente e diretores do banco central;

e) Procurador-Geral da República;

f) titulares de outros cargos que a lei determinar;

IV - aprovar previamente, por voto secreto, após argüição em sessão secreta, a escolha dos chefes de missão diplomática de caráter permanente;

V - autorizar operações externas de natureza financeira, de interesse da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios;

VI - fixar, por proposta do Presidente da República, limites globais para o montante da dívida consolidada da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;

VII - dispor sobre limites globais e condições para as operações de crédito externo e interno da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, de suas autarquias e demais entidades controladas pelo Poder Público federal;

VIII - dispor sobre limites e condições para a concessão de garantia da União em operações de crédito externo e interno;

IX - estabelecer limites globais e condições para o montante da dívida mobiliária dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios;

X - suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal;

XI - aprovar, por maioria absoluta e por voto secreto, a exoneração, de ofício, do Procurador-Geral da República antes do término de seu mandato;

XII - elaborar seu regimento interno;

XIII - dispor sobre sua organização, funcionamento, polícia, criação, transformação ou extinção dos cargos, empregos e funções de seus serviços, e a iniciativa de lei para fixação da respectiva remuneração, observados os parâmetros estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)

XIV - eleger membros do Conselho da República, nos termos do art. 89, VII.

XV - avaliar periodicamente a funcionalidade do Sistema Tributário Nacional, em sua estrutura e seus componentes, e o desempenho das administrações tributárias da União, dos Estados e do Distrito Federal e dos Municípios. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003)

Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como Presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.

Art. 53. Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 1º Os Deputados e Senadores, desde a expedição do diploma, serão submetidos a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 2º Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso, os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro horas à Casa respectiva, para que, pelo voto da maioria de seus membros, resolva sobre a prisão. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 3º Recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado, por crime ocorrido após a diplomação, o Supremo Tribunal Federal dará ciência à Casa respectiva, que, por iniciativa de partido político nela representado e pelo voto da maioria de seus membros, poderá, até a decisão final, sustar o andamento da ação. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 4º O pedido de sustação será apreciado pela Casa respectiva no prazo improrrogável de quarenta e cinco dias do seu recebimento pela Mesa Diretora. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 5º A sustação do processo suspende a prescrição, enquanto durar o mandato. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 6º Os Deputados e Senadores não serão obrigados a testemunhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do exercício do mandato, nem sobre as pessoas que lhes confiaram ou deles receberam informações. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 7º A incorporação às Forças Armadas de Deputados e Senadores, embora militares e ainda que em tempo de guerra, dependerá de prévia licença da Casa respectiva. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

§ 8º As imunidades de Deputados ou Senadores subsistirão durante o estado de sítio, só podendo ser suspensas mediante o voto de dois terços dos membros da Casa respectiva, nos casos de atos praticados fora do recinto do Congresso Nacional, que sejam incompatíveis com a execução da medida.(Incluído pela Emenda Constitucional nº 35, de 2001)

Art. 54. Os Deputados e Senadores não poderão:

I - desde a expedição do diploma:

a) firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes;

b) aceitar ou exercer cargo, função ou emprego remunerado, inclusive os de que sejam demissíveis "ad nutum", nas entidades constantes da alínea anterior;

II - desde a posse:

a) ser proprietários, controladores ou diretores de empresa que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurídica de direito público, ou nela exercer função remunerada;

b) ocupar cargo ou função de que sejam demissíveis "ad nutum", nas entidades referidas no inciso I, "a";

c) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das entidades a que se refere o inciso I, "a";

d) ser titulares de mais de um cargo ou mandato público eletivo.

Art. 55. Perderá o mandato o Deputado ou Senador:

I - que infringir qualquer das proibições estabelecidas no artigo anterior;

II - cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar;

III - que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões ordinárias da Casa a que pertencer, salvo licença ou missão por esta autorizada;

IV - que perder ou tiver suspensos os direitos políticos;

V - quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos nesta Constituição;

VI - que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado.

§ 1º - É incompatível com o decoro parlamentar, além dos casos definidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas asseguradas a membro do Congresso Nacional ou a percepção de vantagens indevidas.

§ 2º - Nos casos dos incisos I, II e VI, a perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa.

§ 2º Nos casos dos incisos I, II e VI, a perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 76, de 2013)

§ 3º - Nos casos previstos nos incisos III a V, a perda será declarada pela Mesa da Casa respectiva, de ofício ou mediante provocação de qualquer de seus membros, ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa.

§ 4º A renúncia de parlamentar submetido a processo que vise ou possa levar à perda do mandato, nos termos deste artigo, terá seus efeitos suspensos até as deliberações finais de que tratam os §§ 2º e 3º.(Incluído pela Emenda Constitucional de Revisão nº 6, de 1994)

Art. 56. Não perderá o mandato o Deputado ou Senador:

I - investido no cargo de Ministro de Estado, Governador de Território, Secretário de Estado, do Distrito Federal, de Território, de Prefeitura de Capital ou chefe de missão diplomática temporária;

II - licenciado pela respectiva Casa por motivo de doença, ou para tratar, sem remuneração, de interesse particular, desde que, neste caso, o afastamento não ultrapasse cento e vinte dias por sessão legislativa.

§ 1º - O suplente será convocado nos casos de vaga, de investidura em funções previstas neste artigo ou de licença superior a cento e vinte dias.

§ 2º - Ocorrendo vaga e não havendo suplente, far-se-á eleição para preenchê-la se faltarem mais de quinze meses para o término do mandato.

§ 3º - Na hipótese do inciso I, o Deputado ou Senador poderá optar pela remuneração do mandato.



Fontes


domingo, 20 de julho de 2014

Letters to Elena (3)


Mein Liebchen, Fräulein Elena!

This will be my last letter. But it doesn't mean I'll stop caring about you, I just need to follow a different way.

As my last advice, I'd like you to love yourself first, always. But don't get me wrong, it doesn't mean you should be selfish and only think about yourself.

You may, and you should, care about others, and put yourself in their place (when it's possiblel) and above all you must always respect everybody. What you can't do is to accept  less than you deserve, because you love someone. Ever.

When you feel you've been somehow disrespected, depreciated or scorned, something is very worng and no matter how much you love someone, you can't allow that. Even if there are the most noble reasons, or even if the person had a very hard life, and it was very unlike yours, reasons can explain people's acts, but they don't justify anything.

And the same apllies to you, you may have your reasons and they may be righteous, but your reasons don't make right being unfair to anyone.

Once, I've heard something very sensible that may help you a lot when you ever get a tough decision ahead of you "you can't make a rigth with two wrongs". So, if something is wrong, please, always try to fix it instead of only getting around.

Follow your heart, remember you deserve the best and don't ever accept less than that and take responsability and consequeces over your choices, and everthing will be just fine.

mit herzlichen Grüßen,

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Letters to Elena (2)

Mein Liebchen, Fräulein Helena!


Existem bilhões de pessoas no mundo
e metade delas são garotas.

Elas são todas diferentes. 
 e todas elas são bonitas.

             Algumas garotas gostam de usar vestidos e maquiagem
e outras não
 e está tudo certo.

Algumas garotas tem cabelos compridos 
e outras tem cabelo curto
 e está tudo certo.

Algumas garotas gostam de brincar com bonecas 
e outras jogam vídeo games
 algumas brincam com os dois
e está tudo certo.

Algumas garotas preferem se cobrir 
e outras não

 Algumas garotas querem ser garotos 
alguns garotos querem ser garotas
e está tudo certo.

Algumas garotas gostam de garotos 
e algumas gostam de garotas 
 e também está tudo certo.

Haverá pessoas que tentarão fazer escolhas por você
 e isto não está certo.

você mesma, sua escolha
ninguém pode lhe dizer quem você deve ser.

e qualquer modo que você escolha para ser
estará certo.​


mit herzlichen Grüßen,

Letters to Elena


Mein Liebchen, Fräulein Elena!

Zuerst muss ich sagen du bist das schönste Mädchen in dieser Welt. Und ich wünsche dir, dass all deine Träume Wirklichkeit werden.

There's so much I want say to you, but I'll keep it short so you don't get too bored. 

1. You are and always will be very beloved, even who doesn't even know you (in person) and it's very important you always remember this. And you must know you'll never be alone, there's a line of people (almost literally speaking) ready to support you if you ever need.

2. You are amazingly pretty and do not believe in anyone who says anything different from this. But being pretty is not only about looks: the way you treat others and your personality change the way people see you. So, always be kind (if it's possible, of course).

3. As long you're already pretty, and surely will always be nice to everyone (who deserves it!), there's no reason worring too much about appearance. Dress whatever you like, and do not only follow fashion and trends. Wear makeup anytime you want, but do not think you'll only be beautiful with makeup on.

4. Use all of your intelligence, and you've got plenty of it, and learn everything you find interesting and intriguing. Be curious and ready widely. Carl Sagan (cientist and astronomer) said “A book is proof that humans are capable of working magic.” and he is absolutely right.

5. Smiling is never too much, people even say it saves muscles. Then, be as happy as you can be. And do not forget you're responsible for your own happiness. Remember: it depends on you alone. So, fight for everything that makes you happy with all of your strength.

mit herzlichen Grüßen,